23 de ago de 2019

Profissões para pessoas com deficiência - Manutenção e conserto de celular

As pessoas com deficiência no Brasil somam mais de 45 milhões, se somarmos familiares e amigos este número pode crescer cinco vezes, de acordo com a ANATEL existe um estudo que aponta um número médio de 2 celulares por habitante, 10% desses aparelhos quebram todos os meses e estes números crescem todos os dias com lançamentos de equipamentos e tecnologias novas constantemente.
A necessidade de profissionais especializados em manutenção e consertos de celulares cresce de acordo com a demanda criada pelo mercado e os técnicos tem a possibilidade de ganharem mais de R$ 10.000 por mês.
Logicamente para entrar no mercado é preciso se qualificar e se cercar de informações que o ajudarão a conquistar e fidelizar clientes que podem indicar seus serviços, este campo de consertos é muito bom e o profissional precisa cuidar para não deixar a ganância falar mais alto e tentar ganhar dinheiro fácil, já que no caso de CONSERTO E MANUTENÇÃO DE CELULARES muitas vezes o serviço pode ser executado sem se quer o técnico ter que gastar com peça pois um simples ajuste ou limpeza resolveria o problema, por outro lado a responsabilidade de se propor a mexer em um aparelho que pode chegar a 6 mil reais no caso dos mais caros não permite insegurança e despreparo.
Por se tratar de um trabalho totalmente manual e as vezes minucioso com manipulação de peãs minúsculas e sensíveis a pessoa com deficiência terá que analisar as suas possibilidades físicas e sensoriais para executar o serviço, porem uma oficina não se faz só de técnicos em manutenção, existem outros profissionais envolvidos como por exemplo, atendentes, vendedores, balconistas, caixas, etc.
Hoje é possível a pessoa fazer cursos de CONSERTO E MANUTENÇÃO DE CELULARES totalmente online, com suporte e certificado o que transfere para o cliente mais segurança.
Alguém que queira ter o seu próprio negócio na área de CONSERTO E MANUTENÇÃO DE CELULARES pode fazer um curso pela internet e aprender online tudo sobre este universo promissor e lucrativo é importante encurtar a curva de aprendizado, esperamos que este post ajude de alguma forma e boa sorte.

21 de ago de 2019

REABILITAR OU DESQUALIFICAR ?


Este post foi publicado em Junho de 2012 e resolvi repostar.

Era uma vez uma entidade que iria realizar um grande evento de dois dias, seria um momento muito importante onde as pessoas teriam a oportunidade de conhecer melhor o trabalho da entidade que diz reabilitar pessoas com deficiência visual para a vida diária e até para o mercado de trabalho, nesta entidade trabalha uma pessoa com deficiência visual, muito respeitada profissionalmente e reconhecida na areá educacional como referência e exemplo de inclusão, essa pessoa mesmo com a deficiência superou todos os obstáculos e limites que a vida lhe colocou se tornando totalmente independente dentro de que é possível para alguém que não enxerga.

Trabalhando a muitos anos na entidade se sentia parte do sucesso e da evolução da ong e seu conhecimento e capacidade profissional fez com que alguns colegas de trabalho a indicasse para mediar uma mesa de trabalho no tão esperado evento, até que, um dia antes do grande momento o seu chefe imediato chegou pra ela e disse que ela não iria mediar nenhuma mesa porque não tinha condições, ela, como profissional cumpridora do seu dever que é, ainda tentou argumentar que com auxilio ou tecnologia assistiva poderia sim como já fez tantas e tantas vezes, mas, aquele homem a sua frente absolutamente convicto do que estava falando reafirmou em tom alto e claro: _ VOCÊ NÃO TEM CONDIÇÕES DE MEDIAR MESA E NÃO PODEMOS FAZER MATERIAL EM BRAILLE PRA VOCÊ !, por fim, a profissional acatou o que o chefe estava falando até porque "Manda quem pode e obedece quem tem juízo" o detalhe é que quem tem juízo também tem sentimentos.
Passar por toda uma trajetória de vida, liderar grupos, formar dezenas e dezenas de pessoas, lutar a vida toda pelos direitos das pessoas com deficiência e não só pelos visuais mais por todos, ser reconhecida pelo município como referência de inclusão e ouvir de um alguém que diz reabilitar pessoas com deficiência: _ VOCÊ NÃO TEM CONDIÇÃO DE FAZER !.
Hipocrisia, dois dias de pura hipocrisia gastando dinheiro do povo que poderia muito bem ser aplicado em reabilitação das pessoas com deficiência ou ao menos em qualificação profissional daqueles que lidam com a causa, a cruel realidade é que não são apenas dois dias de hipocrisia, são anos e anos de hipocrisia, anos e anos de "gente" falando em nome das pessoas com deficiência, "gente" que não sente na pele a dor do preconceito e da discriminação e se acham no direito de definir, julgar quem é ou não é capaz, quem tem ou não tem direito, fazendo escolhas pelas pessoas com deficiência baseado pura e simplesmente  no achismo, Essa "gente", nunca vai sentir a felicidade que uma pessoa com deficiência sente ao superar um limite, transpor uma barreira, atingir um objetivo e essa "gente" não tem ideia da intensidade da dor e a profunda tristeza que o preconceito e a discriminação causam.

Obrigado André Nóbrega

Hoje infelizmente devo informar que o nosso colaborador colunista voluntário do Blog André Nóbrega me disse que não continuará escrevendo para nós, o que é uma pena, pois suas postagens sempre foram muito elogiadas até porque fica evidente em seus textos o talento que tem para transmitir a mensagem que deseja.
Eu, não sou jornalista e infelizmente não tenho o mesmo dom que o André, mas, certamente continuarei tentando produzir conteúdos uteis aqui pra todos os nossos visitantes e o que me resta é agradecer ao Nóbrega por suas contribuições ao mesmo tempo que desejo toda a sorte do mundo para ele e fico na expectativa de poder curtir seus textos mesmo que em outros blogs ou outros canais; Ainda bem que o André ainda posta quase todos os dias no nosso grupo do facebook .
Bom, a vida segue e o blog continua mais uma vez agradecendo o André de Nóbrega.

18 de ago de 2019

Dicas de Filme com pessoa com deficiência - Bird Box






No início da trama, a protagonista está em estado de apatia. Recém-separada do marido, grávida de um bebê indesejado, pintando quadros sombrios que não são terminados, Malorie (Sandra Bullock) verbaliza a intenção de nunca mais sair do seu apartamento, porque se sente segura ali. Ela não é muito diferente do passarinho preso em uma gaiola - uma metáfora bem clara, e óbvia, do aprisionamento. A única coisa que a faria sair do estado quase catatônico seria uma tragédia de grandes proporções, e é exatamente isso que o roteiro lhe fornece. De repente, as pessoas começam a cometer suicídio em massa pelo mundo inteiro.
A diretora Susanne Bier, acostumada aos melodramas, e o roteirista Eric Heisserer, um veterano dos filmes de terror, não se interessam muito à origem da epidemia. Espécie de filme de zumbis sem zumbis, Bird Box reproduz a lógica da contaminação repentina e espetacular, das mortes pelas ruas, do caos na sociedade, da busca por comida, água e tranquilidade num contexto pós-apocalíptico. As cenas de catástrofe são visualmente impactantes, ainda que curtas demais. De mesmo modo, os sobreviventes de uma casa vizinha deduzem com uma facilidade inverossímil que o perigo se encontra em olhar tal presença invisível (razão pela qual precisam vendar os olhos em espaços abertos), e não se preocupam em investigar a origem do problema.



Filmes de contágio costumam dedicar um tempo considerável às causas da crise mundial e à restauração do problema - geralmente passando pela conciliação entre familiares, a união entre opostos, a superação de divergências e oposições. Este suspense, no entanto, não possui as mesmas pretensões. Malorie precisa salvar a si mesma e ao bebê, ponto final. Ela não se preocupa com familiares, com pessoas amadas, com o retorno da ordem. O roteiro se apropria de um subgênero tipicamente social para destitui-lo do aspecto comunitário e privilegiar a sobrevivência através do individualismo. É curioso perceber que os heróis corajosos são mortos, enquanto os egoístas conquistam a fuga.
Focando-se na protagonista e nas crianças, o filme acaba por justapor escolhas interessantes a recursos gastos. Por um lado, a ideia da claustrofobia a céu aberto, em paisagens belas e pacíficas - a dificuldade de remar com os olhos fechados, ou explorar uma floresta sem vê-la - provoca bons momentos de tensão, combinados com imagens subjetivas do olhar parcialmente bloqueado pelas vendas. Por outro lado, a trama abusa de clichês de fragilidade pessoal - vide a dupla gravidez com possibilidade de partos simultâneos, a necessidade de cuidar de criancinhas indefesas, a fácil traição de um dos membros do grupo devido à imprudência dos demais.
Bird Box funciona como um bom exercício de gênero, marcado por imagens plasticamente interessantes da protagonista na natureza. É curioso, no entanto, que o roteiro se recuse a confrontá-la a perigos básicos como a fome, sede e frio. A montagem se atrapalha um tanto no despertar da epidemia (vide as imagens mal agenciadas da personagem de Sarah Paulson), mas em seguida, a alternância entre o passado e o presente constrói um quebra-cabeça diante do qual o espectador é convidado a completar as peças, uma por uma, para então descobrir o quadro inteiro. Por que Malorie está remando com as crianças? Onde estão os outros que a acompanhavam? De que servem, afinal, os pássaros? A narrativa responde calmamente a cada uma dessas respostas, esclarecendo-se por completo apenas no final.
Os momentos mais fortes são aqueles em que se explora a dualidade entre segurança e liberdade: até que ponto você está disposto a abrir mão de sua liberdade para se sentir seguro? Você viveria preso num lugar, sem ter contato com outras pessoas, com os olhos constantemente vendados, ou se arriscaria pelas ruas, podendo ser morto? Muitas conversas entre a protagonista e Tom (Trevante Rhodes) investem nesta importante dicotomia - uma das mais questões essenciais dos nossos tempos, cuja contemporaneidade é acentuada por referências a Donald Trump (“Make the end of the world great again!”, brinca o personagem de John Malkovich). Os coadjuvantes são um tanto rasos, e isso inclui as crianças, excepcionalmente bem comportadas e desprovidas de traços de personalidade ou vontades próprias.
Neste sentido, outra produção de gênero recente, que também privava os personagens de um de seus sentido, se saía muito melhor: em Um Lugar Silencioso, cada membro da família possuía uma personalidade e um ponto de vista distintos, além de investir em imagens devidamente catárticas para a canalização do conflito. No caso de Bird Box, as cenas mais explosivas ocorrem no início, cedendo espaço a uma tensão constante, porém linear e sem muitas válvulas de escape.

Atenção: possíveis spoilers a seguir!
A carinhosa conclusão privilegia o drama ao terror, e prefere enxergar o resto da humanidade com um pouco de otimismo. Talvez não se trate do recurso mais original, e a solução tampouco sugere alguma melhoria no futuro mundial, mas estamos falando de um projeto individualista, certo? Quando Malorie se acalma, o filme se acalma também, e não vê necessidade de seguir adiante. A direção transforma uma catástrofe global num evento íntimo, um impulso para a mulher triste superar seu trauma, se reconciliar com o instinto materno e encontrar a felicidade. Talvez alguns bilhões de seres humanos sejam sacrificados pelo caminho, mas não se faz uma limonada sem espremer alguns limões, certo? Pelo sorriso final de Sandra Bullock e pela sensação de paz explorados pelo enquadramento e pelo som, o martírio valeu a pena.

17 de ago de 2019

VOCÊ PODE SOLICITAR ONLINE AS ISENÇÕES DE IPI e IOF NA COMPRA DE VEÍCULO NOVO


As pessoas com deficiência física, visual, mental - severa ou profunda  - autistas e taxistas tem direito por lei à isenção de impostos na aquisição de veículos.
Com objetivo de simplificar a vida do usuário que tem direito ao benefício – que no âmbito federal se aplica ao Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e ao Imposto sobre Operações de Crédito (IOF) – desde dezembro de 2017, a solicitação passou a ser feita somente pelo Sistema de Controle de Isenção de IPI/IOF (Sisen), disponível na página da receita federal na internet.
A implantação do Sisen teve como objetivo desburocratizar o processo de isenção, promover a redução do tempo de tramitação, além de aumentar a segurança do processo. Desde a implantação da plataforma, cerca de 200 mil pedidos deixam de ser protocolados, anualmente, nas unidades de atendimento da Receita Federal em todo o país, 150 mil referentes a deficientes e 50 mil a taxistas. Além disso, com a tramitação eletrônica, o prazo para deferimento do pedido foi reduzido para até 72 horas.
Outra vantagem é que nas situações em que há indeferimento do pedido, o cidadão é informado pelo sistema sobre o motivo da inconsistência sem precisar comparecer a uma unidade da Receita, o que possibilita a autorregularização e reduz litígios.
A Receita também recomenda que os cidadãos que tenham realizados pedidos por meio de processos físicos – ainda pendente de decisão – o substituam por processos eletrônicos de modo a reduzir o tempo de resposta.
Entre os sistemas e bases que integram a base de dados do Sisen estão o Registro Nacional de Carteira de Habilitação (Renach), o Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), além de bases internas da própria Receita Federal, como o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e a base de Certidão de débitos relativos a créditos tributários federais e à Divida Ativa da União (DAU).
Para fazer a solicitação da isenção, o usuário deve acessar a página do Sisen no site da Receita. O acesso ocorre por meio de certificado digital de pessoa física (e-CPF) ou código de acesso, para quem não possui o certificado. Em função disso, é preciso esclarecer que o código de acesso do Sisen é diferente do usado no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC).
Para criar o código de acesso do Sisen é necessário informar o número dos últimos recibos da Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física (DIRPF) ou o número do título de eleitor.
Isenção de IOF
Também é importante esclarecer que a isenção de IOF na compra de veículos ainda não atinge as pessoas com deficiência visual, mental ou autistas – que por essa razão não estão aptas a dirigir – por falta de previsão legal. Além disso, a isenção de IOF só pode ser utilizada uma única vez por cada contribuinte.
Isenção de IPVA e o ICMS
Os beneficiários da isenção de IPI e IOF também têm direito à isenção de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço). Como o IPVA e ICMS são tributos estaduais, para ter acesso à isenção ou desconto nesses tributos é necessário que o cidadão procure informações com a respectiva secretaria de Fazenda do estado ou unidade do Detran.
Confira a lista de documentos necessários para solicitar as isenções:
Pessoas com deficiência física, visual, mental severa ou profunda, ou autistas
- Laudo de avaliação emitido por prestador de serviço público de saúde, por serviço privado de saúde, contratado ou conveniado, que integre o Sistema Único de Saúde (SUS), pelo Detran ou por suas clínicas credenciadas, ou por intermédio de serviço social autônomo, sem fins lucrativos, criado por lei, caso não tenha sido emitido laudo de avaliação eletrônico; e
- Certidão de nascimento atualizada do beneficiário, na qual esteja identificado o seu responsável legal, no caso de requerimento transmitido por tutor ou curador.
Taxistas
- Nome, número do documento de identidade (RG) e número de inscrição no CPF do associado;
- Número de registro da CNH que conste a informação de que o condutor utiliza o veículo para desenvolver atividade remunerada
- Dados do veículo anterior, adquirido com isenção de IPI há mais de 2 (dois) anos (cópia da nota fiscal de aquisição, número da placa, número do chassis e número da permissão concedida pelo Poder Público), exceto quando se tratar da primeira aquisição;
- Ato constitutivo da cooperativa e das respectivas alterações, se houver;
- Certificado de Regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (CRF);
- Declaração de Disponibilidade Financeira ou Patrimonial compatível com o valor total dos veículos a serem adquiridos, em nome da cooperativa, conforme modelo da Instrução Normativa nº 1.716/2017..

Quem tem direito às isenções ?

Confira algumas deficiências e patologias que dão direito à isenção de impostos. O benefício está sujeito à avaliação técnica e especializada de um perito médico. Ter alguma das doenças abaixo não é garantia do benefício. O que é avaliada é a sequela provocada no condutor.
Autismo (familiares), Amputação ou ausência de membro , Artrodese e artrose, Artrite, reumatoide, AVC (Acidente Vascular Cerebral), Cegueira (familiares), Câncer de mama e linfomas (se há sequela física ou motora), Deficiências físicas, mentais e intelectuais, Diabetes (se há sequela física ou motora), Doenças degenerativas e neurológicas, Doenças renais crônicas, Dort (LER) e bursites graves, Esclerose múltipla, Escoliose acentuada, Hérnia de disco, Hemiplegia e tetraparesia, Hepatite C (se há sequela física ou motora), HIV positivo (se há sequela física ou motora), Má formação dos membros, Manguito rotator, Mastectomia, Monoparesia e monoplegia, Nanismo, Neuropatias diabéticas, Quadrantectomia (parte da mama), Paralisia cerebral (familiares), Paralisia e paraplegia, Parkison, Problemas de coluna (se há sequela física ou motora), Próteses internas e externas, Poliomelite, Ponte de Safena (se há sequela física ou motora), Renal Crônica (fístula), Síndrome de down (familiares), Talidomida, Túnel de Carpo e tendinite crônica, Tetraplegia (familiares).

16 de ago de 2019

Dica de filme com pessoa com deficiência - No fim do túnel


Dicas de filme no nosso canal do youtube - No fim do túnel

Visite nosso site e veja outros conteúdos.

www.pessoacomdeficiencia.com


Um filme que de início parece apenas mais um longa de suspense frágil, e que a princípio não chamaria atenção do público pela falta de harmonia entre seus elementos apresentados em seu começo, surpreende e encontra alternativas para se concretizar como um bom filme de gênero dentro de um país que vêm se destacando pela sua filmografia ao longo dos anos.
Este é No Fim do Túnel, longa-metragem argentino dirigido por Rodrigo Grande que tem como protagonista Leonardo Sbaraglia, ator do ótimo Relatos Selvagens, que aqui interpreta Joaquín, um cadeirante que perdeu sua família e agora vive apenas com seu cachorro e trabalha concertando computadores em seu sótão. O longa de cara começa bem, com um grande plano sequência em que mostra o interior a casa de Joaquín e caminha com o telespectador por boa parte do ambiente. Porém, o que parecia algo promissor quebra quando somos apresentados aos personagens da trama.
Primeiro com o próprio Joaquín, que ao invés de aprofundarem um pouco o mundo daquele personagem, nos apresentam ele rapidamente e de uma forma totalmente vazia; seguido por Berta e sua filha Betty, que estão à procura de um cômodo para alugar e o encontram na casa de Joaquín. É estranha a rapidez de como os fatos são apresentados neste início; em questão de minutos, Berta e Betty já estão morando na casa de Joaquín e uma intimidade já é criada entre ambos. Tudo acontece precipitadamente no roteiro, assim como na decupagem de planos que utiliza de elementos desnecessários para aquele momento e também na trilha sonora, que deixa muito a desejar em suas passagens.
Durante uma noite em que Joaquín trabalha em seu sótão, ele ouve alguns barulhos vindo de uma das paredes; com o uso de equipamentos tecnológicos, ele passa então a escutar conversas de um grupo de assaltantes liderados por Galereto, que estão usando a residência ao lado para criar um túnel que passa por debaixo de sua casa e roubar um banco. O filme caminha com esta premissa e nem mesmo as pequenas tentativas de criar um ambiente de suspense funciona neste início. Apesar da competência de quase todos os atores, soa um tanto quanto inverossímil a fala e ações entre eles, muito disso certamente por conta de alguns buracos deixados pelo roteiro, mas que de um jeito curioso melhora bastante a medida que o filme se desenvolve e ganha força.
Depois de alguns acontecimentos que, se falados por aqui, atrapalharia na recepção do filme, Joaquín decide então interferir neste roubo ao banco. Um ponto chave que surpreendentemente se transforma em um estímulo em quase todos os aspectos, no qual a partir deste momento os personagens passam a ganhar a sua real importância e relevância, o suspense é criado com uma boa fotografia e bons diálogos, assim como a trilha sonora, que acerta e traz pro telespectador um clima de tensão. A narrativa fica então intrigante e de forma atrativa o diretor passa a construir um ambiente angustiante, no qual Joaquín, com seus motivos, tenta afetar diretamente o roubo através de seus artifícios.
A trama criada para relacionar cada personagem e suas respectivas histórias funciona bem. Desde Betty, filha de Berta – que ganha uma importância muito grande na narrativa – até o homem que está por trás de todo roubo, são encontradas boas soluções no roteiro e que caracterizam um filme singular, apesar de ter uma premissa um tanto que batida.
Com um final conturbado, cheio de reviravoltas, bons diálogos e com uma cena que remete ao filme Cães de Aluguel, de Quentin Tarantino, No Fim do Túnel, apesar de ter um primeiro ato fraco, em seu desfecho consegue prender atenção do telespectador – algo extremamente necessário em um longa criminal e de suspense com estrutura clássica. E mais que isso, consegue explorar de forma concisa um protagonista cadeirante que sustenta bem o filme em sua grande parte. FONTE

5 de ago de 2019

A maneira mais rápida de ter seu negocio na internet.

Neste post eu quero te contar uma novidade muito bacana. Ha alguns anos atras eu fiz um curso de Marketing digital, pois, sempre gostei e acreditei que é possível ganhar dinheiro trabalhando em casa pelo computador. Na ocasião não coloquei em prática o que aprendi no curso porque como tudo na vida esta atividade precisa de um minimo que seja de dedicação e como tinha recebido algumas propostas de trabalho resolvi mexer com o Marketing Digital mais pra frente, porém não parei de pesquisar e estudar dobre o assunto.
Agora sim, posso dedicar algum tempo para começar a colocar em pratica o que aprendi e pra minha surpresa é que nem bem comecei e já fiz a minha primeira venda, alias, é muito bom quando você abre a plataforma e ver que fez uma venda, fico imaginando o dia que eu abrir e ver mil vendas, rsrs, vai ser muito bom.
Existe um sistema a prova de falhas e que já vem sendo aprimorando a mais de 4 anos, pra criar ensinar quem quer trabalhar com Marketing Digital e não sabe nada ainda. Com esse sistema, que na verdade é um método em passos simples, mas que devem ser aplicados na ordem certa é possível criar vários projetos online de forma muito rápida, progressiva e altamente lucrativa. E esse sistema compilou tudo em um Super Treinamento que se você quiser ganhar dinheiro trabalhando com internet precisa conhecer.
Eu já tive acesso ao treinamento e estou alucinado com a quantidade de informações. Estou aprendendo e estou colocando em prática.
Sempre sonhei com o dia que eu pudesse indicar as pessoas com deficiência uma possibilidade real de ganhar dinheiro trabalhando de casa até por toda a dificuldade que temos para encarar o mercado de trabalho tradicional.
De uma olhada, clique no link abaixo.
O Treinamento é totalmente em vídeo aulas, com mais de 200 vídeos, mais de 50 horas no total de pura informação de qualidade no modelo de passo a passo, é impossível errar. Além disso, tem muito material extra, como: Mapas Mentais, Checklists, Exercícios, Fluxogramas, Ferramentas Para os Membros, Várias Bônus Fantásticos.
Além de todo suporte e atenção que você precisar.
Espero que aproveite esta oportunidade e pelo menos conheça este jeito de ganhar dinheiro é só clicar no Link:

5 de mai de 2019

A falta que nos move

Para Yasmin Porto **
 

            Antes de mais nada, reconhecer o abismo a nos envolver. Saber olhar para o vazio, para as falhas latentes, evidentes em nossas vidas, sem nos acomodarmos. E isso não é tão fácil quanto aparenta.
            Por muitas vezes, em inúmeras ocasiões, após tantas promessas lançadas, ficamos asfixiados pelo impacto da realidade. Não contribuem as sinalizações do governo atual. Tanto no episódio a envolver a ameaça de extinção do CONADE, como na postura antidemocrática, cerceadora de direitos, sinalizada por nossa ministra Damares .
Não é um tempo fácil para os sonhadores, os artistas, os professores e quem ouse sinalizar opiniões contrárias, dissonantes ao ímpeto da nova ordem política. Uma era de destruição foi iniciada. O elogio à burrice é diário, estimulado a cada declaração presidencial.
Nenhum apego ao diálogo franco sendo estimulado. A vivência democrática esvaziada, num ambiente sem simpatia, convívio estabelecido com o contraditório. Mas sempre pode piorar.
 A nossa sociedade ególatra, pouco empática e ansiosa pode, num futuro próximo, ter o sonho de cowboy realizado. Os protótipos de John Wayne, Clint Eastwood podem dar vazão à própria ira, insensatez, e propagar a ilusão de faroeste tropical pelo país. Provavelmente as armas serão liberadas, o corte às universidades públicas está anunciado, enquanto o desmonte da atividade cinematográfica fica planejado. A estupidez venceu.
Para boa parte da sociedade, a camada das pessoas sem deficiência alguma, começa a ocorrer uma sinalização comum a todos nós. Própria ao quadro estratificado em nosso cotidiano, há muito tempo. Desde quando resolvemos encarar a vida. Sabemos habitar o planeta desigual das oportunidades, arar o solo infértil das chances, com uma teimosia, uma perseverança cega 
Seria muito melhor, bem mais confortável, caso reinasse um panorama, uma situação menos conflituosa. Pois eu ainda sonho com o dia, o tempo, no qual possamos andar pelas ruas despreocupados, sem medo de cair.
Entre derrotas, quedas, suspiros e vislumbres com um futuro melhor em nossas vidas, no exercício da nossa militância, aprendemos a conjugar certa habilidade. Sabemos fazer da falta uma força.
E em tempos de tempestade, insegurança, a sorte premia os bons navegadores. A nossa trajetória exige isso, estabelece, de antemão, a necessidade de desenvolvermos certa espécie de guia, bússola, para atravessar as turbulências.
Já colocado, sabido sobre a valência essencial de luta para existirmos. E que, de forma, situação nenhuma, pode nos enganar, seduzir a partir daquele aspecto, da falácia do pcd servir como exemplo de superação. Mesmo assim, necessário acrescentar um outro pensamento.
Na sinfonia múltipla de gestos, jeitos de comunicarmos ao universo soluções para nossos tipos de deficiência, conseguiremos alcançar a música certa? A sintonia comum, possível de ser absorvida por todos os nossos corpos e demandas?
Primeiro é preciso retomar o gosto pela conversa propositiva, de união. Superar dificuldades não chega a ser qualidade, é um requisito obrigatório para prosseguirmos. Em meio ao agito, a inclinação por retrocesso, permanecer fiel à causa, comprometido com a inclusão, será portanto remar contra a maré.
Fundamental uma reserva extraordinária de fôlego, a cota extra de paciência, para, mesmo com a ciência da desfaçatez, ainda computar avanços, ganhos para a causa.
O imã por trás de cada conquista, proveito, talvez venha da falta que nos move.
Um abraço para todos,
André Nóbrega.



1 de mai de 2019

Participe do Projeto de geração de renda.

Atenção: Estamos selecionando pessoas com perfil de empreendedor para participarem como coordenadores de um projeto de geração de renda nas seguintes cidades:
Americana, Amparo, Araçatuba, Araraquara, Araras, Arujá, Assis, Atibaia, Avaré, Barretos, Barueri, Bauru, Bebedouro, Birigui, Botucatu, Bragança Paulista, Caieiras, Cajamar, Campinas, Campo Limpo Paulista, Carapicuíba, Catanduva, Cotia, Cruzeiro, Cubatão, Diadema, Embu das Artes, Embu-Guaçu, Fernandópolis, Ferraz de Vasconcelos, Franca, Francisco Morato, Franco da Rocha, Guaratinguetá, Guarujá, Guarulhos, Hortolândia, Ibiúna, Indaiatuba, Itanhaém, Itapecerica da Serra, Itapetininga, Itapeva, Itapevi, Itapira, Itaquaquecetuba, Itararé, Itatiba, Itu, Jaboticabal, Jacareí, Jandira, Jaú, Jundiaí, Leme, Lençóis Paulista, Limeira, Lins, Lorena, Mairiporã, Marília, Matão, Mauá, Mococa, Mogi das Cruzes, Mogi Guaçu, Mogi Mirim, Osasco, Ourinhos, Paulínia, Penápolis, Peruíbe, Pindamonhangaba, Piracicaba, Pirassununga, Poá, Praia Grande, Presidente Prudente, Ribeirão Pires, Ribeirão Preto, Rio Claro, Salto, Santa Bárbara d'Oeste, Santana de Parnaíba, Santo André, Santos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, São Carlos, São João da Boa Vista, São José do Rio Preto, São Paulo, São Roque, São Sebastião, São Vicente, Sertãozinho, Sorocaba, Sumaré, Suzano, Taboão da Serra, Tatuí, Taubaté, Tupã, Valinhos, Várzea Paulista, Votorantim e Votuporanga.
INTERESSADOS EM MAIS INFORMAÇÕES MANDEM MENSAGEM NO SEGUINTE WHATSAPP: 12 98703-7504

29 de abr de 2019

Gorete costurando.

Cada pessoa tem um potencial e a capacidade de fazer coisas que outros não tem, simplesmente pelo fato do individuo ter ou não deficiência não significa que pode ou não pode desenvolver determinadas atividades, nunca podemos julgar as pessoas sem antes conhecer de verdade as suas habilidades, neste vídeo a Gorete, que é uma pessoa com deficiência visual esta costurando uma peça de roupa, coisa que muitos outros que enxergam não seriam capazes independentemente do motivo, vejam e se inscrevam em nosso canal para que possamos fazer nossas mensagens irem muito mais longe.

Postagens mais visitadas