1 de fev de 2016

A folia inclusiva


 Que tal aderir ao clima de carnaval, e junto com o brado dos tamborins que irão chacoalhar pelas esquinas,a letra daquela marcha antiga da sua preferência,agora também celebrarmos uma das maiores vitórias recentes dos carnavais de rua? 

  Falo aqui da folia inclusiva,o movimento presente em vários estados do Brasil com a intenção de tornar o carnaval uma festa mais participativa.Não queremos ficar de fora dessa farra,precisamos entrar nessa roda também.

  E já tem gente pensando nisso,com iniciativas que trabalham bem a questão.Assim,podemos celebrar os merecidos dias de desvario com o cuidado,a atenção necessárias para enfiarmos o pé, a roda ou o andador na jaca.

  Você conhece o bloco ‘’Senta que eu empurro’’,que sai toda sexta-feira de carnaval,no Rio de Janeiro? Pois bem,meus amigos, no próximo dia cinco de fevereiro,às 18h começa a concentração do bloco,previsto para sair às 20h.O ponto de encontro é na rua Arthur Bernardes,no Catete.

  Estive no bloco em 2013 e 2014, e pude presenciar uma das mais revolucionárias formas de ativismo social.Não conheço transformação pessoal nenhuma que não dialogue com o afeto.Nenhum livro,manifesto ou passeata podem igualar o benefício trazido por um abraço bem dado,feito no momento em que precisamos diminuir a nossa proporção de rancor ,raiva e igualarmos a balança com uma maciça dose de calor humano.

   O nosso ativismo exige muito da gente.É indispensável nos mantermos vigilantes,atentos aos problemas,e estarmos comprometidos com a mudança.Diante de tantas dificuldades,com o número de situações que nos desfavorecem,acabamos por nos cultivar um gérmen  da desesperança.Raros são os momentos,as circunstâncias a nos agraciarem de forma plena.

   O carnaval inclusivo,geralmente apoiado por associações ,ONGS que lidam com a inclusão da pessoa com deficiência,coloca um outro olhar sobre a questão.O que me fez usufruir do bloco’’Senta que eu empurro’’é eu não ter me sentido o ‘’diferente’’ ali.

 De alguma forma,naquele dia,éramos todos iguais,de acordo com as particularidades,a riqueza das nossas diferenças.Ao meu lado , crianças com síndrome de Down me ofertavam uma daquelas raras e espetaculares manifestações genuínas de alegria.

  Havia nesse dia uma característica presente na sorte dos nossos melhores momentos.Imperava ali a condição fundamental da alegria,que fez com que as pessoas com deficiência visual,nanismo fossem portadoras apenas de uma característica : a capacidade de festejar a existência.

  Fica aqui a dica para quem quiser estiver no Rio de Janeiro e quiser se beneficiar dessa glória.

 Um viva para a folia inclusiva.

Salve o bloco’’Senta que eu empurro’’.

Um abraço para todos,


André Nóbrega.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar esta postagem.

Veja estas postagens.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...